COMO AS PEQUENAS EMPRESAS ESTÃO SE REINVENTANDO NA QUARENTENA?

A quarentena pelo vírus da Covid-19 pegou todo mundo de surpresa, principalmente o pequeno empresário. Não importa o segmento e qual é o tamanho do impacto, ninguém irá sair ileso. Infelizmente alguns irão demorar a se recuperar, enquanto outros vão dar (e já estão dando) passos largos de crescimento.

Sim, as empresas querem continuar crescendo, mas, mais do que isso elas estão preocupadas em como continuar vendendo, em como vão pagar as contas, em como manter contato com o seu cliente, em como manter os empregos dos funcionários, entre outros.

E a palavra do momento tem sido reinvenção. Como reinventar o meu negócio? Como reinventar a minha divulgação? E como reinventar o meu produto? Eu não sei as respostas dessas perguntas sem conhecer o contexto de uma empresa, mas sei que elas estão “arregaçando as mangas” e buscando novas formas de empreender, principalmente as empresas gerenciadas por mulheres.

Outro termo que tem sido forte no meio empresarial, é a adaptação e também foi uma das primeiras a ser utilizada pelas empresas. Um exemplo é da empresária Grazi Silva, dona da Pipocas Ouro Preto (pipocas gourmet), que para se adaptar ao novo cenário passou a fazer entregas e contratou uma motogirl só para atende-la. E como medida de segurança, ofereceu máscara e álcool em gel para ser utilizado antes e depois das entregas.

Redes Sociais e delivery

Inevitável não falar do poder das redes sociais durante essa quarentena, mas o que eu andei observando é que muitas empresas, principalmente as do interior ainda tem dificuldades com as plataformas digitais e só agora estão percebendo o impacto que elas têm dentro de um negócio.

Pensando pelo lado positivo, essas empresas tiveram que se reinventar (na força) e criar uma nova forma de manter o contato com o seu cliente. A empresária Karol Lopes, da Lopes Calçados (Mariana – MG), contratou uma social media para tomar conta das suas redes sociais, passou a fazer entregas e a atender apenas com agendamentos.

Já para Grazi, do Pipocas Ouro Preto, além do delivery, também está inovando nos sabores das pipocas, nas embalagens para datas festivas e fortalecendo o relacionamento com o cliente nas redes sociais. Perguntei para ela sobre o faturamento da empresa após o início da quarentena e ela me respondeu que, “Para minha surpresa, teve um aumento nas vendas e, a princípio, pensei que com a pandemia as pessoas diminuiriam o consumo, mas percebi que elas querem receber doçura e delicadeza”.

É claro que em termos financeiros algumas empresas vão sentir a curva diminuindo, principalmente o comércio varejista que tem como chamariz o layout da loja, promoções na porta e exposição de produtos. Enquanto o setor de prestação de serviço alimentício, como buffet, irá manter o crescimento ou até aumentar. Um exemplo, é da Tatiane Paludetti, proprietária da Quitutes (Ouro Preto – MG), que produz salgados e bolos confeitados por encomenda, que teve uma pequena queda nas vendas no final de março, mas que agora tem se mantido estável.  “O início da quarentena foi de incerteza para o meu negócio, mas com o passar dos dias reorganizei alguns produtos para se adequar ao momento”, relatou Tatiane. E como forma de se reinventar, aos fins de semana está oferecendo delivery de produtos unitários e oferecendo a opção de kits menores com bolo, doces e salgados.

Associações Comerciais e união das empresas

Disse no início do artigo que a reinvenção está sendo um dos lemas dos pequenos empresários e, em algumas cidades do interior de Minas, esse processo está se dando através das Associações Comerciais. Eu trabalho em uma e conversei com três consultoras de um programa chamado Empreender, que estão acompanhando de perto como que as empresas locais, de forma unida, estão se reinventando.

Começando pelo sul de minas, a consultora Tammy Ribeiro, do programa Empreender na Associação Comercial e Industrial de Pouso Alegre (MG) e na Associação Comercial, Industrial de São Gonçalo do Sapucaí (MG), relatou que uma das ações realizadas pela Associação Comercial, foi antecipar o lançamento de um site de vendas Mandubai que reúne apenas empresas associadas e que estão realizando vendas desde o mês de abril. Outra ação, foi que um grupo de empresários do núcleo de festas reinventou um evento, que já acontecia de maneira presencial, para o formato virtual. “Foi criado um grupo no Facebook com divulgação apenas dos nucleados e tem trazido novos clientes e vendas em momento de crise. E já são mais de 3 mil membros”, relata Tammy.

Para a consultora do Empreender Camila Nayara, da Associação Comercial e Industrial de Patrocínio (MG), a pandemia surpreendeu os empresários (principalmente o pequeno) devido a muitos não terem uma gestão financeira bem formatada. Essa deficiência acabou criando ações como workshops em parceria com bancos, workshops de esclarecimento das Leis Trabalhistas, entre outros. E sobre empresas que estão se reinventando, Camila destaca a Ceará Lanches que continuou tendo um crescimento nas vendas, devido ao know how em delivery e estão investindo nas mídias sociais, aplicativo de entrega próprio e um exclusivo da cidade.

Em alguns locais, a liberação de abertura do comercio já vem acontecendo, como na cidade de Passo a Quatro, interior de Minas, que flexibilizou a quarentena desde o dia 20 de abril. A consultora do Empreender da Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Passo a Quatro (MG), Juliana Ribeiro, relatou que mesmo com a abertura, as empresas estão funcionando com um balcão na porta e atendendo, ali, o cliente e um por vez. E que as empresas que começaram a fazer entrega na quarentena, continuam e estão a cada dia apostando mais nas redes sociais. Juliana destaca a empresa Megan Outlet, da empresária Priscila Alcantara, que realizou uma live com promoções das suas peças que variavam de R$40,00 a R$100,00, como uma alternativa de venda dos seus produtos.

O momento pediu um novo olhar para os negócios e mesmo com todas as preocupações, dúvidas e mudanças que a quarentena está proporcionando às pequenas empresas, elas têm criado novas formas de manter o dinheiro entrando em caixa e buscando inspirações de ações que estão dando certo em outros locais, para testar com o seu público. E, dia após dia, continuarão se reinventando.

Gabe Pinheiro
Gabe Pinheiro

Jornalista e blogueira. Adora um papel e caneta, um bom livro e uma xícara de café. Gosta de conversar sobre dinheiro, empreendedorismo e moda.