6 DICAS PARA NEGOCIAR DÍVIDAS

“Eu só vou pagar o que devo depois que arranjar um emprego”. Essa era a frase que eu mais falava quando recebia a ligação das empresas de cobrança. Eu sei que esse é o papel deles, mas, na época, eu também sabia que não podia fazer uma promessa de pagamento sendo que não tinha nenhuma renda.

O ano foi 2015 e eu tinha acabado de voltar de um intercâmbio, realizado na Colômbia. Para os seis meses que morei fora, me organizei (minimamente) para não precisar usar o cartão de crédito, tanto que nem levei ele comigo. Mas, ele ficou no Brasil com as parcelas das passagens, seguro viagem e algumas despesas.

Faltando três meses pra voltar, não consegui mais pagar ele e “deixei de lado”, afinal estava em outro país e não tinha nada que pudesse fazer.  Em novembro de 2015 consegui dois estágios, em outubro de 2016 renegociei a dívida desse cartão de crédito; em outubro de 2018 renegociei outro cartão de crédito e em maio de 2019 entrei em um desafio de finanças e foi nesse mês que passei a ter um carinho maior com o meu dinheiro.

E o que toda essa introdução tem a ver com o momento em que estamos? Tudo. Eu não tinha dinheiro o suficiente para pagar as minhas contas, morava sozinha, em 2018 o meu salário diminui mil reais e eu estava com medo de encarrar as minhas dívidas. Eu demorei alguns anos para tomar consciência da “bola de neve” que a minha vida estava se tornando e não corri atrás de alternativas para me livrar delas. E não é o que eu quero pra você, querida leitora.

Hoje, com as medidas adotas pelo governo para ajudar as pessoas que perderam os seus empregos, que tiveram diminuição na renda e que estão tendo os seus salários pagos pela empresa e governo, estão contraindo dívidas para poder sobreviver.

O medo de não saber o que fazer e a preocupação se terá ou não dinheiro para comer ou pagar as contas básicas (aluguel, luz, água), cria uma névoa na nossa mente e nos impede de ver que, sim, é possível gerenciar as dívidas, negocia-las e dormir tranquilamente. Abaixo, separei alguns passos e dicas para te ajudar a organizar as suas dívidas, diminui-las e começar um planejamento para quitá-las.

1º Encarre as suas dívidas

Vai doer, você vai ficar triste, vai achar que devia um valor, mas na verdade é outro e depois vai se sentir aliviada por encarrar as suas dívidas. Anota tudo que você está devendo (no papel conseguimos visualizar melhor as coisas), coloca a origem da dívida, pra quem é (banco, pai, mãe, tia), valor e se corre ou não juros.

2º Defina qual vai ser a prioridade de pagamento

Enumere qual será a ordem de pagamento das suas dívidas, assim você já terá um foco definido. Ah, escolha como prioridade as dívidas que geram juros como por exemplo, cartão de crédito e cheque especial.

3º Reveja o seu planejamento financeiro

Não importa o momento que você esteja, pandemia ou pós-pandemia, é sempre importante rever o seu planejamento financeiro e ter claro qual é o seu custo de vida. Se a receita diminuiu, observe nas contas fixas e variáveis o que dá para diminuir ou cortar. Sim, quando estamos com dívidas no início será preciso cortar alguns prazeres, mas com um bom planejamento financeiro e com a diminuição das dívidas, será possível introduzi-los novamente. A Fer, redatora do The Squad, escreveu um artigo sobre planejamento financeiro, que vale muito a pena ler.

4º Seja sincero com as pessoas ou instituições para qual está devendo

Não adianta você renegociar uma dívida, sabendo que não vai ter dinheiro para pagá-la. Como disse no início do texto, eu deixei bem claro para as empresas de cobrança que assim que eu tivesse uma renda e um valor mensal que não ia pesar no meu bolso, a primeira coisa que ia fazer era ligar ou ir na agencia para renegociar as dívidas.

Jogar a real te deixa mais tranquila. E quando a dívida é com algum parente, ele compreende melhor a sua situação e sabe que você está se organizando para quitar os débitos que têm.

5º Faça renda extra

O momento é de ficarmos em casa, mas, nem por isso você deve abandonar a renda extra. Algumas das minhas sugestões são: venda aquilo que você não quer mais e que está em bom estado (roupas, sapatos, livros, eletrônicos), dois sites que gosto muito são o Enjoei e o Repassa; responda pesquisas online e aposte nas redes sociais. A Julia, redatora do The Squad escreveu um artigo com dicas de como ganhar dinheiro nas redes sociais. Vai lá conferir!

6º Renegocie

Dividas listadas, ok. Planejamento financeiro, ok. Renda extra, ok. Chegou a hora de renegociar as suas dívidas. A minha dica é, antes de entrar em contato com a fonte da dívida, faça uma projeção de quanto você consegue pagar.

Em 2016, quando renegociei o primeiro cartão de crédito peguei o valor atual da dívida e dividi no número de meses que ficaria no valor que desse para pagar.

Se você já tiver uma quantia guardada ou irá receber algum valor como por exemplo, liberação do FGTS ou PIS, aproveita para pegar uma parte desse dinheiro para dar de entrada. Na minha renegociação do segundo cartão de crédito, o valor total era de R$2.577,57, dei uma entrada de R$500 e renegociei R$2.077,57 em 10 vezes, com parcelas de R$207,53.

Eu sei que ter dívidas não é uma sensação boa e você acaba tendo que abrir mão de objetivos financeiros, por conta delas. Mas nada que um bom planejamento, dedicação e comprometimento não torne essa jornada mais tranquila.

Ah, e não tenha vergonha de falar que está com dívidas, não tenha vergonha de falar que não tem dinheiro para fazer determinada coisa, não tenha vergonha de falar “não, estou economizando”. Daqui a alguns anos o seu eu do futuro vai te agradecer por ter dito esses nãos.

Gabe Pinheiro
Gabe Pinheiro

Jornalista e blogueira. Adora um papel e caneta, um bom livro e uma xícara de café. Gosta de conversar sobre dinheiro, empreendedorismo e moda.