EMPREENDER EM REDE: POR QUE VOCÊ DEVE APOIAR OUTRAS MULHERES?

Antes de me aventurar no empreendedorismo, eu tinha um pensamento de que trabalhar com mulher era mais difícil. A verdade é que o começo da minha vida profissional foi muito baseado em uma perspectiva tradicional e machista do que é certo ou errado dentro de um ambiente de trabalho CLT. Um grande erro, eu sei. Mas apesar de ter tido colegas homens que nunca me desrespeitaram ou me diminuíram, a relação entre as mulheres ali sempre me pareceu hostil, uma disputa desnecessária que eu não compactuava, porém desconstruí somente ao longo do tempo, anos depois.

Foi então que eu decidi apostar de vez no meu sonho naquela época: trabalhar com moda. E dentro disso empreender se tornou praticamente o único caminho possível para entrar em um mercado que eu nunca tinha atuado antes. E aqui, já deixo um depoimento sobre a minha experiência: quando a gente decide ter a própria empresa, se tornar vulnerável é praticamente automático, mesmo que você não reconheça isso na hora.

Ao meu ver, a vulnerabilidade é um sentimento intrínseco de quem está começando algo novo e do zero, porque no fundo não sabemos onde aquilo vai dar, mesmo com um planejamento estratégico impecável. Os desafios de empreender se colocam na nossa frente no dia a dia, no relação com o outro e no incerto que faz parte da vida. A gente muda, tudo muda ao longo do caminho.

E por que eu estou te contando tudo isso? Porque uma hora você vai ter que aprender a pedir ajuda e não existe orgulho no mundo que seja maior do que a vontade de fazer dar certo dentro daquilo que você acredita. E se isso só é possível com a ajuda de outras pessoas, você vai fazer. Foi assim que eu e minha sócia descobrimos o valor de trabalhar em rede.

“As relações se tornam mais empáticas, por sabermos que todas nós enfrentamos muitos desafios e uma sociedade inteira que sempre tenta nos mostrar o contrário, que não somos capazes”

Optamos inicialmente por um modelo de negócio que dependeria basicamente de nós duas e foi na tentativa e com muitos erros que descobrimos que não damos conta de tudo. Por isso, listamos todos os pontos do nosso serviço que eram estratégicos para ele acontecer e escolhemos ser boas em um, para os outros buscamos parceiros que nos ajudassem a construir algo mais completo e atraente para os nossos clientes.

Mas é claro que nada é tão fácil como parece, pois trabalhar em rede implica uma relação de confiança e compromisso de ambas as partes e algumas vezes isso também não deu certo. A nossa grande sorte foi que ao mesmo tempo em que tudo isso acontecia, mulheres incríveis no nosso entorno também estavam acreditando em seus sonhos e criando projetos maravilhosos que complementavam o nosso.

E aqui destaco a importância de eventos, encontros e palestras dedicados à troca de experiência entre nós mulheres. Eles foram essenciais para a gente se colocar em um mesmo lugar, sentir as mesmas dores e vibrar com as vitórias uma das outras. Até hoje eu sinto que a cada “Eu também passo por isso!” que eu ouço de outra mulher, é uma sensação de alívio e de aconchego enorme de saber que não sou a única. E foi nesses momentos que muitas sementes foram plantadas.

E então a nossa rede de apoio nasceu, a cada passo dado, trocando contatos e conversando com outras mulheres e empreendedoras. Fomos entendendo também a potência que é ver todas elas crescendo com a gente. Estou certa de que essa é uma das maiores delícias de empreender. E vale muito a pena. As relações se tornam mais empáticas, por sabermos que todas nós enfrentamos muitos desafios e uma sociedade inteira que sempre tenta nos mostrar o contrário, que não somos capazes. Mas somos e muito, acredite!

Somos grandes quando estamos juntas e seguiremos assim, avante manas!

Dedico esse texto com uma emoção enorme no coração primeiro à minha sócia Emília, que sempre esteve ao meu lado. Depois à todas mulheres que acreditam no meu sonho como parte dos seus: Camila, Babi, Catharina e Juliana. E por fim, à todas as outras que são inúmeras: clientes, parceiras, amigas, parentes, o time Squad (tão recente, mas tão importante) e qualquer uma que por algum motivo me inspirou ou me inspira.

Carol Rocha
Carol Rocha

Observo o mundo, vivo o simples e me encanto com tudo. Curiosa por natureza e mineira de nascença. Empreendedora, social media e pesquisadora de tendências por escolha. Uma mulher em constante evolução.