CARENTENA E AUTOCONHECIMENTO

Olá girls! Como vocês estão? Vamos papear sobre um assunto que tem incomodado todo mundo nessa quarentena: Libido e autoconhecimento. Estou introspectiva e com uma série de questionamentos rondando minha cabeça e quero compartilhar esses questionamentos com vocês.

Com os níveis de estresse e ansiedade elevados, muita gente tem sentido a libido despencar, sem vontade de aproveitar o tempo com o/a parceirx, e para quem é solteirx, virou motivo de sofrimento: os downloads de apps de relacionamento aumentaram em 116%, como forma de combater a solidão. E isso vem fazendo com que todos se sintam solitários de certa forma: além da falta de comunicação e negociação com o parceiro, a quantidade de pedidos de divórcio aumentou durante a quarentena – casais que não tinham muito tempo juntos, passaram a conviver dentro da mesma casa, resultando em separações que não ocorreram antes por comodismo, filhos ou porque a convivência era mínima.

Porque é importante falar sobre isso? Você tem sofrido essa montanha russa de emoções durante a quarentena? Consegue identificar quais são as emoções e o porque você está sentindo isso (para além da pandemia)? Tem se sentido carente por falta de contato físico, por se sentir mais isolado e tem buscado formas de se autoconhecer para suprir essa necessidade?

Essas são perguntas que tenho respondido todos os dias para mim mesma buscando entender quando não estou bem e preciso (e mereço!) desacelerar. Mas me diga: o que você conhece sobre si, para que não desconte suas emoções no outro? E isso é válido para qualquer caso: Relacionamentos onde os dois estão confinados, e solteirxs que querem desesperadamente conhecer alguém online para passar horas conversando como forma de superar o tédio que os invade em momentos de reclusão social.

Se sua libido diminuiu ou você está carente: você tem tirado momentos de autocuidado? E não estamos falando de skincare. Momentos para meditar, anotar seus sentimentos em um diário, ou entender como você pode aproveitar melhor o tempo que têm (ou apenas ter uma visão positiva dele)? Nós vivemos tão conectados, acelerados, nunca temos tempo para nada, vivemos correndo (do que?), e agora que basicamente temos um pouco de tempo livre, podemos aproveitá-lo com calma!

Certa vez li em algum lugar: “Porque precisamos nos tocar com pressa? Porque estamos sempre correndo para o prazer? Porque sempre precisa ser duro, forte, as vezes machucando, porque precisa ser rápido?” Você já se tocou sem pressa de chegar lá, apenas para aproveitar o processo? Você já se conheceu com calma, sem querer definir quem você é em meia dúzia de palavras, apenas para que isso acabe logo?Você já fez amor, fodeu, trepou, como quiser chamar – com calma, sentindo as batidas do coração dx parceirx e a respiração ofegante no ouvido, apenas apreciando o momento do toque, da sensação da pele, de todos os poros arrepiados, de descobrir novas zonas erógenas não percebidas antes? E o seu toque? Sabe quando você passa o dedo muito de leve no próprio antebraço, e sente aquelas cócegas gostosas, provocativas, e você mesmo abre um sorriso contido e silencioso porque é uma sensação que só você se provoca?

Se você está em um momento de carência afetiva, aproveite o momento para suprir essa necessidade sozinha, prestando mais atenção em você. Faça uma lista de zonas erógenas do seu corpo. Descubra sensações, se provoque com uma pena, com gelo, com óleos. Faça amor consigo mesma, até que cada centímetro do seu corpo tenha sido amado por suas mãos e sua alma. É test drive gata, quando essa pandemia passar, você subiu tanto o nível que quem não te amar e tocar como você se ama e se toca, já está fora.

Se você está em um confinamento com parceirx: aproveite esse momento. Mude a conversa. Crie diálogos e questionamentos. Use comunicação não violenta. Faça uma lista do porquê você se apaixonou pelo outro e do porquê é apaixonada por si mesma: troquem
essas listas. relembrem momentos incríveis, falem sobre sentimentos – pensa numa palavra com peso, né?

Agora se sua libido aumento durante a quarentena e você está solteirx: se masturbe. Mas se masturbe muito. Até ter múltiplos orgasmos, até você estar tão relaxada que seus dias sejam coloridos mesmo que lá fora o mundo esteja cinza. Aproveite isso de todas as formas possíveis (mas por favor, fica em casa!).

Autoconhecimento também é parar de correr. Desacelerar. Ansiedade é viver o amanhã e não é fácil, também estamos ansiosas por aqui, mas por uma noite, viva o agora. Pare de correr, porque nós não sabemos do que estamos correndo – esse conselho é mais para mim
do que para vocês – mas quero que todo mundo aproveite ele.

Rachel Salles
Rachel Salles

Publicitária, desbravadora, inquieta e viciada em cores e em glitter. Acredita na pluralidade das pessoas, na autoaceitação e que sim: você pode ser quem quiser.