CAÍRAM AS MÁSCARAS

Para muitos, o uso das máscaras passou a ser algo obrigatório, mas para outros, elas caíram feio.

Tudo começou quando apostaram todas as fichas no ano de 2020. O ano em que pessoas iriam deslanchar, relacionamentos se consolidar e sonhos seriam alcançados. Mal sabíamos que na verdade, no dia 01 de Janeiro, estávamos entrando numa abóbora mágica e que em apenas dois meses, as últimas baladas iam tocar e a magia acabar.

Entramos em quarentena, em crise econômica, política, racial e psicológica. Ou seja: surtamos.

Sempre ouvi dizer que “é na crise que a gente conhece realmente alguém” Nesses últimos 4 meses eu consegui comprovar de diversas formas que sim, é verdade.

Me apaixonei por uma pessoa no Carnaval que durante o período de reclusão, se mostrou o completo oposto do que eu imaginava. Deixei de seguir pessoas por falas, vídeos, posicionamentos que se mostraram incoerentes com o discurso “good vibes”, “amor ao próximo”, “vida mara”, que sempre pregaram.

Pois é, a água bateu na bunda e agora não deu mais para esconder. A máscara caiu.

Acho importante entendermos mais sobre qualquer pessoa que iremos nos relacionar, seja amorosamente, como amizade ou como influência digital, antes de nos entregarmos aos discursos e ao imaginário que criamos sobre ela.

PORÉM…

Se você está lendo isso, você é um ser-humano (espero), e por conta disso, sua condição de vida, assim como dessas outras pessoas, é errônea. Ou seja: a gente nasceu pra fazer merda. A questão é, aprender com ela ou continuar fazendo (soou estranho, mas é isso).

Cancelar uma pessoa não vai fazer de você alguém muito melhor que ela. Estamos cada vez mais buscando a realidade nas redes sociais, a verdade dos nosso ídolos, mas não estamos segurando a onda do fato DELES TAMBÉM ERRAREM. Claro, existem erros como homofobia, racismo ou qualquer outra conduta criminosa que FERE o outro, que não cabe mais na nossa sociedade, mas de resto, eles vão errar.

Fadas sensatas não existem. Se até Sininho, rainha das fadas, era irritadíssima e as vezes muito chata e mentirosa, o que faz de nós sermos fadas sentadas perfeitas sem defeitos? Já falei muito esse termo, mas hoje, tenho horror de ser taxada de “fada sem defeitos”, por que qualquer dia, adivinhem só? Eu vou desonrar esse título pelo simples fato de eu ser humana, vulgo, IMPERFEITA, e eu vou errar, e aí, como consequência: serei cancelada

Se você ainda não ouviu a entrevista da nossa futura presidenta, Srta. Maísa, no programa Saia Justa, pare tudo e vai lá ouvir. Chega de achar que na internet não vai ter defeito, erro, arrependimento, por que vai! E outra, pode perceber que esse peso da “fada sensata” cai diretamente nas mulheres né? Como sempre.

Outro vídeo legal sobre o assunto é o “Anitta foi descancelada?” do YouTube Spartakus. No seu IGTV ele usou o caso da Anitta para falar mais sobre essa cultura do cancelamento. “Eu acredito que é muito mais produtivo, ao invés de fazer julgamentos, fazer análises (…), sem separar as pessoas em “boas” e “más”, “aliados” e “inimigos”. Até porque é preciso ter moral para julgar o outro, e ter uma moral intacta significa não cometer erros, algo que é impossível.”

Resumindo, muitas pessoas foram “desmascaradas” nessa quarentena, seja para o bem ou para o mal. Ao mesmo tempo que devemos ser empáticas de perceber que estamos vivendo um período muito difícil e não sabemos como o outro está lidando, trouxa a gente não é, né querydas? Então bora ficar atenta para quem a gente está disponibilizando o nosso tão sagrado tempo e claro, saúde (física e mental).

Se cuidem, fiquem bem e USEM MÁSCARA <3

Fernanda Vilarrodona
Fernanda Vilarrodona

Publicitária, atriz e criadora de conteúdo. Estuda Psicologia Positiva e adora falar sobre isso. Capricorniana, meio doidinha e tagarela. Oi, prazer :)