PARA ENTENDER DE VEZ A INFLUÊNCIA DA LUA

Entender as fases da Lua é entender os nossos ciclos internos. A Lua é o astro que rege o nosso corpo emocional. Ao compreender os seus ciclos, trazemos clareza para os nossos processos internos também.

Como assim? Como isso funciona? Explico: na prática, a Lua tem uma ligação óbvia com as águas. Ela influencia as marés, que correspondem a mais de 70% da superfície do planeta. Sem a Lua, as águas se estancariam e o movimento oceânico deixaria de acontecer, fazendo com que toda a massa oceânica se distribuísse pela costa e tomando os polos. Todo o sistema climático da Terra mudaria.

Assim como Gaia, nosso corpo é composto por mais de 70% de água também. Sem água a gente não funciona e sobreviveríamos até 7 dias sem ela. Sob uma perspectiva simbólica, a água representa a ciclicidade, a mutabilidade e a adaptabilidade. É o elemento que reflete o reino da emoção profunda e das reações de sentimento, e uma vez que o sentir é em parte inconsciente, representa também a inconsciência. É normalmente associada a Lua que, na astrologia simboliza tudo que temos de receptivo, o inconsciente, as emoções e os instintos de comportamento. A Lua simboliza a alma. E Lua e água caminham juntas. Da mesma forma que no mundo físico a Lua influencia as marés, sob um viés simbólico, ela também influencia as nossas correntes emocionais interiores.

Quando a Lua muda, nossos mecanismos internos reagem a ela. Se ela veste a roupagem de um dos 12 signos, nosso corpo emocional o faz também. Uma Lua em Áries nos deixa mais suscetíveis a impulsividade, a ação, a movimentação, a assertividade e até a agressividade. Diferente de uma Lua em Libra, quando nos leva a assumir um tom mais diplomático, mais preocupados em olhar os dois lados da moeda e no que o outro tem a dizer. Conhecendo essas energias, podemos nos adaptar a elas e trazer uma presença maior para o nosso dia-a-dia.

Ao longo do ano temos 13 lunações e uma lunação corresponde a cerca de 29 dias, onde a Lua passa por fases, de cerca de 7 dias cada, sendo as principais delas a fase nova, crescente, cheia e minguante. Se a Lua nos influencia tão diretamente, suas fases também o fazem, assim como acontece com as plantas.

“Reconhecer a ciclicidade lunar é abraçar a nossa própria mutabilidade”

A fase nova é o ápice da escuridão lunar. A lunação, que começa nessa fase, irá percorrer todas as outras até que minguará e começará todo o processo novamente. Portanto, durante uma lunação temos um ciclo.  Na fase nova da Lua, é quando a seiva está nas raízes e o corpo emocional está mais recluso, escondido, voltado pra dentro. É um momento de silêncio e reflexão, onde serão firmadas as intenções para o ciclo que se inicia. Quando intencionamos algo, direcionamos nossa energia. E energia direcionada é criação. Portanto, na fase nova, é importante ancorarmos nossa energia no que queremos ver crescer quando a seiva estiver nas folhas, no ápice. É o momento de plantarmos nossas sementes, e pra isso, é necessário silenciar o burburinho mental e acessarmos a impecabilidade, que é obtida através do alinhamento entre corpo, mente e espírito. Durante a Lua Nova, é importante buscar recolhimento mental, emocional e físico.

Na Lua Crescente, a seiva começa a subir em direção às folhas. A semente que foi plantada na fase anterior, começa a se desenvolver. E como tudo que cresce, é um momento de abertura e de expansão. É aquela fase do mês em que fertilizamos nosso plantio com ação e vontade para que ele cresça e prospere. É a fase inícios, de movimento, onde a energia que antes estava voltada para dentro, busca o mundo exterior para se expressar e buscar seu lugar.

A Lua Cheia representa o ápice energético do que foi plantado lá na fase nova: é quando a seiva, enfim, alcança as folhas. Assim como a Lua, também ficamos cheios, com as emoções a flor da pele, respondendo instintiva e inconscientemente à vida. Tudo o que foi intencionado encontra afloramento, por isso é importante presença na fase nova. Porque na Lua Cheia o que foi intencionado encontrará seu ápice, então é importante que a intenção colocada lá no início esteja em consonância com todos os aspectos do ser. Assim como a Lua que brilha, nós também brilhamos e passamos por um período de celebração, força e potência.

Mas o fluxo continua, e o que encontrou seu ápice, começa a minguar. É a fase minguante. A seiva que estava lá no alto, começa a descer em direção às raízes. A energia se volta novamente pra dentro. É o momento de olhar para o ciclo que se encerra e sentir o que se quer levar para o próximo e o que não é mais necessário. A Lua Minguante simboliza limpeza e liberação. Desapego. É uma fase de transição, onde é necessário fazer o balanço do que vai e do que fica pro próximo ciclo. Porque a fluidez da Lua continua. Depois de uma fase minguante, sempre vem a nova e um recomeço. O mesmo se aplica a nossa vida interior e emocional.

Toda lunação representa um novo início. Temos 13 recomeços ao longo do ano, 13 possibilidades de olhar para o que estamos colhendo e rever nosso plantio, se necessário. As fases da Lua trazem a possibilidade de interação com as energias disponíveis, seja através de meditações, rituais ou práticas pessoais. Reconhecer a ciclicidade lunar é abraçar a nossa própria mutabilidade.

Caroline Borges
Caroline Borges

Jornalista, comunicadora, terapeuta energética e astróloga em eterna construção pela vida. Trago saberes e incentivo sonhos no @ocosmosevoce.